20 dezembro

De volta para dentro de si

Por , na sessão

Por: Vinícius Maciel |

O tempo é famoso, para ele há várias definições: Dinheiro, remédio, ilusão. Mas o tempo não passa de uma espaço em que todos estamos. Na verdade ele é a variável que justifica toda a nossa ansiedade. 

Hoje venho falar sobre aqueles problemas internos que parecem que não estão acontecendo, aqueles que são conhecidos como "coisa da nossa cabeça". Crise de ansiedade, síndrome do pânico, depressão, traumas... Todos já sabemos o quão  difícil é vencer este tipo de problema, parece ser  uma guerra contra nós mesmos, quando na verdade é o inimigo que quer que pensemos assim. 

Uma vez que passamos por isso e nos sentimos curados, sabemos do nosso limite e vivemos como se nada tivesse acontecido. Muitos apontam o tempo como remédio e dizem que passou, mas uma doença quando não é tratada ela se desenvolve, e se entrelaça ao hospedeiro. 

Ao minimo descuido, tudo que se passou que achamos nós que o tempo curou, vem a tona, e se acumula, faz-nos perceber que aquilo ainda está lá, dentro de nós, cutucando o coração, mostrando que nada foi superado. E muitas vezes são nesses momentos, que nós voltamos a estaca zero. Primeiro, vem a mente a lamentação: " Eu tinha superado, por que isso voltou?" depois a desorientação, onde finalmente percebemos que nada mudou.
Essa lamentação se torna uma barganha com o seu íntimo e até com Deus. Lembra quando muita gente ou até mesmo você, te incentivou a lutar contra tudo isso? No momento nós dizemos "Sim, eu vou lutar;' como se tivesse devendo um favor a quem nos incentivou, e é aí que a barganha começa.

Ao primeiro sinal de fracasso eminente, ameaçamos a nos entregar de novo. A sensação é que não estamos aguentando tudo por nós e sim pelos outros, por que quando estávamos sem forças a única coisa que queríamos era descansar e se entregar, pois era um fardo grande e pesado demais para carregar. 

E então como nessa vida, temos sempre altos e baixos, quando a tempestade nos alcança voltamos para dentro de nós, mas dessa vez de maneira justificada, ou seja se temos um motivo, temos um gatilho para nos entregarmos novamente.

Narrei tudo isso para te alertar que, se você se identificou com o texto e passou pelo que citei, talvez ainda tenha algo a ser tratado em você. Mas a motivação para iniciar isso, tem que ser você! E não o que os outros pedem. Forçar não é o mesmo que conquistar, Deus não invade corações para curar, as pessoas podem até persuadir você para buscar algo melhor, mas se não convencerem, não passará de uma ilusão.

O fato é que continuará sendo difícil, mas é importante saber que a cura pode sim demorar, e devemos encarar o tempo, não como um remédio, mas como uma fase de um processo, sendo ele apenas isso e nada mais.

Voltar a estaca zero, não vai te fazer resolver os seus problemas, ou te dará descanso, é tudo ilusão. Lute até o fim, pois nós não devemos olhar para atrás se não for pra consertar algo deu errado? Ok! Mais coisas darão e você tem que conviver com isso, você tem que crescer!

Deus é quem cura, e Ele nos mostra que enquanto tivermos esperança, apesar de todas as dificuldades, teremos o conforto e consolo dEle. Utilize as ferramentas que ele nos deixou, a medicina, os nosso irmãos, e principalmente a sua palavra, a batalha é grande, mas nós já somos mais do que vencedores!

Leia mais textos do Vinicius Maciel
16 dezembro

Pensamentos ilustrados, uma nova maneira de falar de Cristo.

Por , na sessão

Da Redação

Um ministério feito com as próprias mãos encanta os seus seguidores com a nova forma de compartilhar o amor de Cristo. 

No instagram, o Pensamentos ilustrados faz a diferença para o reino, reproduzindo frases de pessoas que também buscam fazer o ide no meio virtual. 

A ideia é inovadora e mostra que todos nós, de alguma maneira, podemos fazer algo que possa agregar ao Reino. 

É necessário querer e se envolver para que os nossos dons possam se desenvolver na prática e na vida.

16 dezembro

Ostentação, um veneno adorado

Por , na sessão

Por: Vinicius Maciel|

Olá, trago hoje neste texto, uma reflexão sobre um tema pouco discutido, mas muito presente na vida de quase todo mundo, a Ostentação.

Ostentar significa apresentar [algo] (a outrem) de modo intencionalmente hostil; estampar, pavonear, vangloriar. Porém é interpretado como sinônimo de sucesso.
As ostentação virou a principal arma do sistema capitalista, ela é um dos combustíveis para o consumo, principalmente dos mais afortunados. De modo imaterial, ela é convertida em status, como posição na sociedade, cargo ou simplesmente conquista.
Que essas coisas existem no mundo a fora, disso todos já sabiam, mas dentro da igreja poucos estão se atentando.


Uma simples obra que fazemos, temos que dar a glória a Deus, pois a ele pertence. O reino tem uma organização decrescente, justamente para que não inflamem nos corações a vaidade.

18 Por aquele tempo, os discípulos perguntaram a Jesus qual deles seria o maior de todos no reino dos céus.2/3 Jesus chamou uma criancinha, pô­la no meio deles e disse: “Se não se mudarem totalmente a direcção das vossas vidas e se não se tornarem como criancinhas, jamais entrarão no reino dos céus. Pois aquele que se tornar pequeno e simples como esta criança será como o maior de todos no reino dos céus.

Cargos dentro da igreja não nos fazem maiores que outros, pois cada um tem em sua 'bagagem" aquilo que Deus deu para fazer. As funções se diferem mas a glória será sempre para Deus. 

"Nós estamos no mundo, mas não somos deste mundo" Mt 4:8-9. Até onde vivemos esta frase? Já parou para pensar nisso?

Ao ostentarmos algo, não atraímos admiração, mas sim a inveja, a fúria dos inimigos, ou até mesmo a vergonha. Porque Ostentar é  simplesmente se alegrar com a "pobreza" dos outros,sentir-se maior e menosprezar, tão somente aquele que fez diferente de você, e essas características não são de filhos de Deus.

Como diz o título, é um veneno que mata aos poucos e em cadeia: Primeiro alguém que ostenta, faz outra pessoa pecar, com uma inveja soberba ou com uma inveja de inferioridade, que é quando a outra pessoa sente-se fracassada por não ser igual a quem ostenta. 

E lhes digo mais: É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino dos céus”. 

A citação acima dita por Cristo em Mateus 18:19, mostra que, a ostentação não veio como algo bom a ser buscado. Ser rico não é pecado, mas está longe de ser sinônimo de sucesso.
Jesus não disse, porém, que o rico não entraria no Reino dos céus, mas que era difícil de acontecer. Ou seja, quem é rico busca acumular bens e tesouros, quem é próspero os têm, mas não se apega e ajuda a quem precisa.

Para resumir, a ostentação é o contrário do que Jesus pregou ao mundo. O Deus que desceu do céu, como humano, vivendo nos lugares humildes e com os pobres e doentes, e que foi humilhado, maltratado, morto e julgado pelas próprias pessoas que ele veio salvar.

Por isso "Bem-aventurados os humildes, pois eles receberão a terra por herança".(Mt 5:5), pois se esvaziam do ego, e enchem-se com humildade como Jesus nos ensinou.
Fazer acepções de pessoas, por qualquer motivo ou sentir-se superior, não deve fazer parte de nossa índole. Temos que ''SER' aquilo que a palavra nos manda, pois não chega a ser um sacrifício, por que se somos filhos do amor, também somos amor e é de amor que o mundo precisa e não de ostentação.  

18 novembro

Faço parte do corpo de uma noiva que anseia pelo seu noivo!

Por , na sessão


Por: Lays Rosado
É indescritível a sensação que essa escolha nos faz sentir, realmente não existe nada que possamos comparar, quando estamos em lágrimas, com o coração acelerado e sentindo a presença de Deus. Naquele ambiente uma das coisas que pensamos é porque resistimos tanto tempo para aceitar Cristo como Senhor e Salvador de nossas vidas. Ali de pé, nossos olhos se abrem para uma realidade que parecia tão distante e que tínhamos tanto medo de viver, agora vivemos para honra e glória do Senhor Jesus Cristo.
Depois da oração do Pastor as pessoas que nem conhecemos vem nos parabenizar com sorrisos no rosto, realmente conseguimos sentir que elas estão alegres por nossa escolha, sem ao menos nos conhecer, ficamos meio perdidos com isso, porque ainda não sabemos que agora fazemos parte de um corpo, de uma noiva que anseia por seu noivo. Voltamos para casa radiantes, parece que nada no mundo vai conseguir tirar aquela sensação da gente, verdade que nossas contas não estão pagas, nossos problemas não se resolveram e vamos continuar com as dificuldades que todo mundo tem, só que agora temos algo que nunca tivemos, uma alma e um coração preenchidos pela presença do Espírito Santo.
A descoberta do primeiro amor por Cristo nos leva a lugares inimagináveis, estamos tão sensíveis a voz do Espírito Santo que desejamos está na casa do Senhor o tempo todo, temos uma fome insaciável pela sua palavra e principalmente de sua presença, se possível dedicaríamos todo nosso tempo em oração e louvores ao nosso Deus. Aos pouco esse amor nos leva a mudanças interiores, começamos a enxergar certas coisas que até então não tinha muita importância; de maneira diferente, começamos a mudar os nossos hábitos, estamos em processo de transformação para cada dia parecermos mais com Cristo.
As pessoas agora veem algo diferente em nossas vidas que outrora não existia, elas não sabem identificar que tipo de mudança existe em nós, mas elas percebem que está lá em algum lugar. Isso é o Espírito Santo agindo em nossos comportamentos, atitudes, gestos e maneira de falar, o Senhor Jesus é tão bom que aos poucos vai nos mostrando o quanto Ele fez e ainda vai fazer por cada um de nós.
 A cada pregação, leitura da palavra e oração vamos nos aproximando mais do Senhor, algumas práticas deixamos de lado e começamos agora uma luta constante contra o pecado, a cada dia que conhecemos mais de Deus vemos o quanto precisamos mudar para parecermos mais com Ele, somos agora vasos nas mãos do olheiro.

11 novembro

A fé moldada pela emoção

Por , na sessão



Por: Lays Rosado

Perigo de morte, começo com essas palavras tão duras mais que são tão verdadeiras quanto as batidas do seu coração. Vivemos em uma geração onde a  sua fé é movida pela emoção de tal forma,  que ela se deixa levar por situações onde pensam que estão vivendo uma vida plena com Deus. Estamos vivendo em perigo eminente, perigo que facilmente nos leva a morte espiritual.

Essa montanha russa de emoções em relação a nosso relacionamento com Cristo nos faz ir a lugares tão profundos e obscuros, ao mesmo tempo em poucos instantes se sentir em plena plenitude com Deus. Lendo o livro de salmos pude observar bastante as emoções de Davi e como ele se portava diante de Deus, pude notar que realmente Davi era um homem segundo o coração de Deus, não importava o seu estado emocional, ele almejava viver o que o Criador tinha para ele.

Então você me pergunta qual o nosso problema? Com toda certeza vou dizer que é liberação desenfreada de emoções que não estão ao molde de Cristo, emoções tais que nos afogam tão facilmente que quando percebemos estamos à beira da morte, quase sem ar, na UTI espiritual. No livro de salmos vemos lamentações, pedido de socorro, louvores, adoração, desespero, dor, alegria e todo tipo de emoção da parte de Davi perante Deus, mas uma coisa que não vemos em Davi é Ele se afastar do seu Senhor.

Em  Salmos 86:1-7 diz:
Inclina, SENHOR, os teus ouvidos, e ouve-me, porque estou necessitado e aflito. Guarda a minha alma, pois sou santo: ó Deus meu, salva o teu servo, que em ti confia. Tem misericórdia de mim, ó Senhor, pois a ti clamo todo o dia. Alegra a alma do teu servo, pois a ti, Senhor, levanto a minha alma. Pois tu, Senhor, és bom, e pronto a perdoar, e abundante em benignidade para todos os que te invocam. Dá ouvidos, Senhor, à minha oração e atende à voz das minhas súplicas. No dia da minha angústia clamo a ti, porquanto me respondes.

Dessa maneira posso afirmar que nossas emoções nos afastam de Deus pelo simples fato de não entendermos quem é o Deus que servimos, não conseguimos contemplar a sua grandeza e tudo o que o grande EU SOU é. Emoções com efeito montanha russa leva a nossa fé a um abismo que nunca encontramos o fim desse infinito buraco. E essa queda só nos traz dúvida.


A dúvida corrói a alma, ela despedaça tudo que um dia foi construindo, não importa o quão forte é a construção. Quando você começa a duvidar das mãos poderosas do seu Deus, o declínio espiritual chega à sua porta e sorri ironicamente, o sarcasmo é a sua primeira parceira, é com ele que as coisas de Deus se tornam superficiais para você. O que era errado, não é tão mais errado assim, o que importava não importa mais.

Problemas emocionais, emoções mal desenvolvidas, a falta do autocontrole emocional são transtornos que te leva a uma estrada com caminho totalmente oposto a salvação. Como qualquer pessoa, as emoções fazem parte de sua existência, a questão é como você lida com ela. Sentir é essencial para nosso relacionamento com Deus, mas o sentir e confiar independente de qualquer situação é outra coisa totalmente diferente. Você não deve depender das circunstâncias para confiar em Deus.

A emoção está ligada a nosso âmbito, e ela muitas vezes determina o resultado da equação ação/reação no nosso dia a dia. Podemos então ter resultados catastróficos ou o melhor possível para aquela situação e isso só depende de como você, o responsável por ela, está em Cristo.
A fé moldada totalmente por emoções momentâneas é como o carrinho da montanha russa a toda velocidade, em alguns momentos está no lugar mais alto, onde as emoções dominam e o prazer é momentâneo, afinal o céu está tão próximo, de repente descarrilha para baixo e mergulha em direção ao concreto e o agora o desespero e o medo tomam conta.

Quem vive uma fé totalmente emocional não consegue equilibrar a sua vida espiritual, um dia está vivendo em plena satisfação em Cristo e no outro se sente tão longe dEle que o vazio toma conta e o não sentir se tornou sua verdade. Sentimentos opressivos, ansiedade tomam conta e um relacionamento que era tão real a poucos instantes se despedaçou como vidro quebrado em tantos pedaços, visivelmente não há nenhuma possibilidade de restaurar.

Pouco tempo se passa e o ‘’primeiro amor’’ volta com força total, afinal a emoção vive de altos e baixos, claro que em alguns momentos a ‘’plenitude’’ do seu relacionamento frágil com Deus volta com força total e o sentimento de satisfação em Deus domina, até você pegar a montanha russa novamente e acontecer tudo de novo. Um ciclo vicioso de emoções se instalou. Sim, essa é a igreja que vivemos hoje, essa mesma igreja que faz parte do ‘’corpo’’ de Cristo, uma igreja que faz do arrependimento seu carrinho de emoções que nunca obteve freio.

Se arrepender é deixar seus maus caminhos e não fazer novamente, será mesmo que a igreja que se diz cheia do Espírito Santo, que vemos o mover nas reuniões para louvar a Deus, está  vivendo só momentos de grande comoção emocional ou estão realmente movidas pelo Espírito de Deus?
De maneira nenhuma uma igreja que pratica tal coisa irá alcançar o céu. A igreja é você!  Sim você é a igreja que está constituída na terra desde o momento que levantou sua mão e aceitou o Senhor Jesus como seu Salvador. Como você tem lidado com suas emoções, esse é o tipo de pergunta que deveríamos fazer todos os dias. A auto depreciação, a inferioridade e qualquer outra coisa não pode interferir na sua comunhão com o Pai. 

A única saída da igreja para essa situação é aprender com Cristo a moldar suas emoções, não que você irá parar de sentir alguma delas, mas saberá lidar quando elas fluírem em você. Isso se chama confiança, é o que Jesus espera de nós. Confiar nEle é estabelecer uma constância na fé, é evoluir na graça, é subir na escada em direção a verdadeira intimidade com o Pai, o declínio espiritual não faz mais morada. Assim como Davi confiava em Deus acima do que ele estava sentindo ou vivenciando, você deve confiar igreja. Não viva por emoções, viva por fé!


Política de privacidade

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site

My Instagram